Às vezes pensamos, “O nosso país é assim, mas como será em outros países?” e “Será que isso acontece somente no meu país?”. É difícil saber os pensamentos e culturas de outras nações, quando não se tem a oportunidade de conhecer pessoalmente. Mas no programa da JTBC ‘비정상회담 (Abnormal Summit)’, podemos conhecer um pouco sobre essas culturas.

O programa conta com a participação de representantes de vários países, onde contam histórias e discutem as diferenças culturais. Com o tema “Eu acho que meu país é muito ruim de viver, eu sou anormal?”, que foi para o ar em julho, as discussões entre os representantes do Brasil e Egito, chamou atenção dos telespectadores.
Carlos Gorito - Abnomal Summit 3 Carlos Gorito nasceu na cidade de Resende, Rio de Janeiro, em 1986. Estudou na área de economia e política internacional, no Rio Grande do Sul, e em 2008 foi estudar na Universidade de Seul, para aprender a língua coreana. Escreveu uma matéria sobre As relações comerciais entre a Coreia e a China, que foi reconhecido pela UCLA.

Atualmente, gerencia os estudantes brasileiros que vão fazer intercâmbio na Coreia do Sul, no departamento de educação, na Embaixada Brasileira. Ele é responsável pela segurança dos estudantes e também ajuda a conseguir estágios nas empresas coreanas. Durante 3 anos, com sua dedicação, conseguiu empregar mais de 500 estudantes brasileiros para aproximadamente 100 empresas coreanas.

Carlos Gorito - Abnomal Summit 2

Foi convidado para participar da ‘Cúpula Anormal’, quando decidiu mostrar para os coreanos através do programa, que no Brasil existem várias coisas a serem exploradas e que o país não se define apenas em samba e futebol. No começo, passou por algumas dificuldades, mas contou com a ajuda do apresentador coreano Yoo Se-yoon e o membro italiano Alberto Monte.

O Alberto (Itália), Przemysław Krompiec (Polônia) e Andreas Varsakopoulos (Grécia) são amigos mais íntimos. Nikolai Johnsen é o mais “bebum” dos membros estrangeiros, e Carlos confessa que, se encontram, passam a noite inteira bebendo e conversando sobre vários assuntos, assim, desenvolve uma amizade global.

Este ano completa 7 anos que se mudou para o outro lado do mundo, e revela que ‘doganitang – 도가니탕’ e ‘galbi kimtchi jjim – 갈비김치찜’ são seus pratos favoritos. Elogiou especialmente o ‘makgeolli – 막걸리’, por ter um sabor que não encontramos no Brasil. Além da culinária coreana, a vida prolongada na Coreia do Sul, também influenciou na opinião sobre as mulheres. Ainda solteiro, elogiou e disse que se tiver oportunidade, pensa em casar com uma coreana.

Entre vários lugares, ‘haeundae – 해운대’ foi o local que mais chamou sua atenção. Um ambiente semelhante à Resende, sua terra natal, diz visitar todo verão quando se lembra do carnaval no Brasil. Assim que for possível, pretende visitar a ilha de Dokdo, afirma e confirma “Dokdo é nossa terra”.

Carlos Gorito - Abnomal Summit

Pedimos alguns conselhos para passar aos jovens brasileiros que se interessaram pela Coreia do Sul, com influência na onda do hallyu. Carlos afirmou que a Coreia do Sul realmente não é um país que como apresentado nas novelas, filmes e MVS.

“Mesmo com a formação universitária, as pessoas não conseguem empregos, por isso os estudantes passam por estresses. Para os estudantes brasileiros que estudam meio período é difícil entender os estudantes coreanos, que acordam de madrugada e ficam até o amanhecer, estudando. Mas, a verdade é que mesmo assim, é difícil sobreviver profissionalmente na Coreia. Se não estiver preparado para “se matar” nos estudos, é melhor rever a sua ida para a Coreia do Sul. Se você estiver procurando uma vida fácil e confortável, eu acho que a Coreia não é um país ideal”, aconselhou Carlos Gorito.Por fim, Carlos está se dedicando para que os estudantes brasileiros possam receber uma educação de qualidade em um ambiente adequado, e diz que o seu sonho é abrir caminhos e oportunidade para o futuro desses jovens.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



1 COMENTÁRIO

  1. Adorei a entrevista! Torcendo para que tenha mais novidades sobre membros do Abnormal e como é o dia dia de Carlos e seus amigos. Do que mais valeu a pena e onde ficou decepcionado. Dicas de sobrevivência na koreia, etc ♡ ⊙v⊙

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.