De acordo com a Ceo e Fundadora, Park Soyeon, a “K2B media foi fundada para criar um espaço autêntico onde os criadores se reúnem para gerar um ambiente focado, dando total atenção e tendo liberdade para desenvolver conteúdos e crescer junto com a empresa”. É uma empresa que tem como compromisso “fornecer uma rede para que os criadores possam desfrutar das ideias, mas sempre mantendo a sua essência”.

A K2B poderia ser apenas uma empresa produtora de conteúdo, porém, mesmo com pouco tempo de vida, ela se destacou devido à uma ação extraordinária no combate ao Covid-19, a pandemia que veio para mudar definitivamente vários conceitos no Brasil e no Mundo.

Infelizmente, vimos muitos maus exemplos de condutas nesta pandemia, inclusive de nossos governantes. Por outro lado, empresas como a K2B Media, vieram para trazer uma mensagem de amor e solidariedade.

A empresa decidiu doar máscaras, inicialmente para a comunidade coreana no Bom Retiro, porém, posteriormente, ampliou esta doação para Unidades Básicas de Saúde do bairro e foi além, doando também, para as pessoas nas ruas. Essa ação foi tão bem recebida que a TV Record, umas das maiores emissoras da atualidade, fez uma reportagem sobre o assunto.

No vídeo abaixo, produzido pela própria K2B, dá pra ver, a alegria e a disposição que o pessoal ligado à empresa, empenhou neste lindo projeto.

Como o intuito do Koreapost também é de disseminar coisas boas, principalmente quando há a Coreia ou a comunidade coreana envolvida, nós entramos em contato com a K2B e fomos muito bem recebidos, conseguindo que a CEO, Park Soyeon e os Youtubers Leo Ha, do Canal Coreano Leo e Rubens Lim do Canal Kimchi Gang nos dessem as entrevistas abaixo, onde eles falam de ser coreano no Brasil, da K2B, do Youtube e da ação realizada pela empresa.

Park Soeyon – Ceo e Fundadora da K2B Media

Park Soyeon. Ceo e Fundadora da K2B Media. Foto: K2B

Que tipo de oportunidade você viu no Brasil para criar a K2B?
A K2B Media começou após vermos uma população de 210 milhões de brasileiros versáteis e apaixonados que adoram/consomem o mais variável conteúdo.

Antes de chegar ao Brasil, você imaginava a quantidade de brasileiros interessados na cultura coreana?
Atualmente o mundo inteiro vem mostrando interesse na Coreia, mas quando eu cheguei no Brasil e vivenciei (esse interesse), eu senti que a Onda Hallyu era ainda mais fervorosa.

A grande maioria dos criadores de conteúdo da K2B Media são coreanos, inclusive, você mesma cria conteúdos para o seu canal do YouTube. Como está sendo a resposta dos brasileiros ao conteúdo relacionado à Coreia?
A maioria do nosso time de Youtubers são coreanos, mas a equipe da empresa é composta tanto por coreanos como brasileiros. A metade do time da K2B Media é coreana e a outra metade é brasileira. Há cerca de 100 mil a 200 mil brasileiros assistindo o nosso conteúdo por dia, eu sou muito grata por ver que os brasileiros nos dão tanto amor.

Há muitos fanclubs, mais de 10 mil fãs e está crescendo muito rápido. Nós somos muito gratos por ter tantos brasileiros que nos dão tanto amor, e nós vamos continuar a promover mais a Coreia e aprender mais sobre o Brasil para continuar a produzir um conteúdo que possa ter uma boa influência em ambos os lados (Coreia e Brasil).

A empresa K2B Media é relativamente nova, mas vem atraindo a atenção de muitas pessoas pelo conteúdo que os Youtubers trazem. Recentemente, vocês também lançaram três cursos de Língua Coreana online e as respostas estão sendo muito positivas. Como surgiu essa ideia?
Nós não estamos fazendo conteúdo simplesmente para “matar o tempo” (do público). Nossa missão é dar inspiração, felicidade, emoção e boa informação para todos os brasileiros através de vídeos que possam ter uma influência positiva neles. Nós vamos ensinar o Hangul por um preço baixo e dar aos brasileiros a chance de aprender o idioma, nós estamos trabalhando em vários projetos para dar a todos mais informação de qualidade. Mais cedo ou mais tarde, estaremos mostrando (os projetos) um por um.

Como surgiu a ideia de realizar a doação de máscaras no bairro do Bom Retiro?
Por ser tão gratos por sermos amados pelos brasileiros, estamos sempre pensando em como podemos retribuir todo esse amor. Eu vi na mídia que o Brasil estava com falta de máscaras e que por isso o preço estava caro, então, como eu havia feito anteriormente um pedido de máscaras, resolvi distribuir onde era mais necessário.

Park Soyeon e outros criadores da K2B durante a campanha de doação de máscaras. Foto: K2B

Muitas pessoas elogiaram a doação de máscaras no Bom Retiro, inclusive a ação da K2B Media se transformou em uma reportagem na Record, uma das maiores emissoras de TV aberta. Parabéns! A reportagem, inclusive, rodou as redes sociais e várias pessoas expressaram sua gratidão à equipe. Como foi essa experiência no Brasil depois de viver aqui apenas seis meses?
Ser amado por tantas pessoas é com certeza um sentimento de felicidade. Nossa preocupação é retribuir todo o amor que recebemos de uma maneira melhor, tentaremos nos tornar uma influência ainda melhor no futuro.

Qual é a mensagem que você deseja passar para os brasileiros através da sua empresa, do seu canal e das suas ações como representante da Coreia, em um país tão amado no Brasil?
O valor de conteúdos em vídeo é amplo e infinito em pensamento. Receber boa informação e motivação pode mudar uma pessoa. Nós temos a missão de desenvolver humanidade, dando à maior quantidade de pessoas possível, informações valiosas e felicidade.

No passado, pessoas aprendiam através de livros. Nos próximos 10 ou 20 anos, nós vamos aprender através de vídeos e é por isso que nós vamos trabalhar ainda mais para ser o centro (dessa aprendizagem).

Rubens, Youtuber do Canal Kimchi Gang

Rubens Lim, Youtuber do Canal Kimchi Gang. Foto: K2B

Você nasceu no Paraguai e cresceu no Brasil, o que você tem a dizer do crescente interesse na sua cultura por parte dos brasileiros sem descendência coreana?
Como descendente de sul-coreanos, fico feliz em poder estar vivendo e presenciando esta fase em que a cultura coreana tem se disseminado fortemente não somente pelo Brasil mais sim pelo mundo todo. Algo que começou apenas com a música e que agora já envolve arte, culinária e diversas outras áreas. O importante é que através do crescente interesse por essa cultura, as pessoas estão sendo influenciadas de uma forma positiva ajudando direta ou indiretamente casos como a depressão, exclusão social, etc…

A ação da K2B Media, de distribuir máscaras em tempos de Covid-19, se transformou em uma reportagem na Record, e rodou as redes sociais. Como foi essa experiência como um Youtuber que representa a comunidade de coreanos no Brasil?
Não esperávamos tanta repercussão como teve esta ação. No início a ideia era de comercializar as máscaras. Mas resolvemos enxergar de uma forma diferente, uma vez que as máscaras são itens que estão ficando difíceis de se conseguir ultimamente. Então por quê não contribuir doando as máscaras para quem precisa e não tem condições de conseguir tão facilmente para que o vírus não continue se espalhando de uma forma descontrolada? Para nós o importante é cada um fazer a sua parte como pode.

Você ensina coreano em um projeto da K2B Media, está ministrando um curso e muitas pessoas estão elogiando o formato e conteúdo, como é receber esse feedback dos brasileiros?
Foi e está sendo um desafio. Nunca lecionei e ministrei algum curso antes. O feedback dos alunos têm sido excelente e me surpreendi bastante.

Tudo isso só me encoraja a melhorar cada vez mais o curso de coreano e os projetos futuros. Para mim o segredo foi me colocar no lugar da pessoa que nunca teve contato com a língua coreana para poder ensinar de uma forma mais simples e prática, não podendo é claro, faltar um pouco de humor e diversão que vem do canal Kimchi Gang!

O canal Kimchi Gang, do qual você faz parte com o Sang, o Dongu e o Vavá, está crescendo e recebendo muito carinho de pessoas fora da comunidade coreana, quais são os próximos passos?
Como o canal é recente e está para completar 6 meses, estamos super animados com todo o carinho que estamos recebendo. Temos muitos projetos que estão em andamento. Infelizmente por conta do Corona vírus estes planos foram adiados mas estamos trabalhando continuamente neles para apresentá-los em breve a todos que nos seguem.

Muitas destas novidades e projetos são baseados na amizade e convívio dos 4 integrantes do canal e também de sugestões e feedback dos inscritos. Por questões contratuais não posso mencionar quais são estes projetos, mas o que posso adiantar é que estamos agora trabalhando em canais no youtube individuais com conteúdos totalmente novos e diferentes do que apresentamos.

Qual é a mensagem que você deseja passar para os brasileiros através do seu canal Kimchi Gang e das suas ações como representante da comunidade coreana no Brasil?
A mensagem que eu e todos os outros integrantes do Kimchi Gang levamos sempre para o nosso público é que somos uma família, por isso o termo “GANG” no nome do canal. E que independente das circunstâncias, seja através de risadas e diversão que nosso canal proporciona, estaremos sempre juntos com o público, tentando nos envolver e interagir cada vez mais já que somos pessoas normais como qualquer outra. Por fim a mensagem é que “um simples sorriso pode mudar o mundo”.

Leo Ha, do Canal Coreano Leo

Leo Ha, do Canal Coreano Leo. Foto: K2B

Você atualmente possui um canal (Coreano Leo) que traz muitos contrastes entre a Coreia e o Brasil, inclusive com convidados. Como surgiu a ideia de fazer um canal no YouTube com esse foco?
Bom, na verdade, no começo não tive intenção de trazer esses contrastes entre a Coreia e o Brasil. Eu queria ir mais pro lado das pegadinhas, essas coisas. Porém, a K2B me guiou para que eu tomasse esse caminho e estou super feliz em estar podendo ajudar as pessoas a tirar dúvidas e curiosidades sobre a Coreia.

Você nasceu e cresceu no Brasil, o que você tem a dizer do crescente interesse na sua cultura por parte dos brasileiros sem descendência coreana?
Bom, eu acho super interessante! E acredito que o maior motivo que fez os brasileiros demonstrar interesse na nossa cultura foi graças ao K-pop e querendo ou não, nós que somos decendentes de coreanos ganhamos muito com isso, por exemplo, conseguimos fugir um pouco do “PASTEL DE FLANGO” ou “XING LING”.

Como foi sua experiência como um Youtuber que representa a comunidade coreana no Brasil, na questão da ação da distribuição das máscaras de proteção ao Covid-19, realizada pela K2B?
Foi muito gratificante, porque, como diz o famoso ditado né, “uma mão lava a outra”, então acredito que se a gente mostra gestos de boa ação, as pessoas também podem fazer igual a nós ou pelo menos mostrar gestos de agradecimento.

Você, juntamente com outro criador de conteúdo da K2B Media, está ministrando um curso que muitas pessoas estão elogiando muito. Como é receber esse feedback dos brasileiros?
É muito divertido, porque eu gosto de ver as pessoas mostrando interesse e aprendendo a nossa língua.

Qual é a mensagem que você deseja passar para os brasileiros através do seu canal e das suas ações como representante da comunidade coreana no Brasil?
Sinceramente, não tenho uma mensagem em específico pra passar pros brasileiros, eu só quero que as pessoas que assistem o meu canal se divirtam e isso faça com que esqueçam dos problemas pelo menos nos 10 minutos dos meus vídeos.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.