As manifestações que exigem a demissão da presidente Park Geun-Hye continuam se espalhando pela Coreia do Sul. Neste sábado, ocorreu a quarta manifestação, demonstrando a indignação pública contra a líder conservadora, por causa de um escândalo, envolvendo sua confidente, revelado no final do mês passado.

A partir das 20h, mais de 650.000 manifestantes lotaram as ruas na região de Gwanghwamun em Seul, de acordo com os organizadores. A estimativa da polícia foi de 170 mil.

Manifestantes na Praça Gwanghwamun, no centro de Seul, no sábado. Foto: Yonhap
Manifestantes na Praça Gwanghwamun, no centro de Seul, no sábado. Foto: Yonhap

De Gwangju, Busan à cidade natal da Presidente, Daegu, dezenas de milhares de pessoas saíram às ruas, juntando-se à chamada nacional para o impeachment de Geun-Hye.

Quase 15.000 reuniram-se em Daegu no maior protesto na história da cidade. Busan, outra fortaleza conservadora, viu cerca de 20 mil pessoas saindo às ruas para protestar enquanto a liberal Gwangju relatou ter tido 50 mil manifestantes.

Em todo o país, as manifestações ocorreram em mais de 100 locais. Os organizadores disseram que houve uma reunião de mais de 1.500 grupos cívicos – que estimaram a participação total em quase 1 milhão de pessoas.

Moon Jae-In, o ex-líder do Partido Democrático Liberal da Coreia, fala aos manifestantes reunidos na cidade de Busan, no sul do país, neste sábado. Foto: Yonhap
Moon Jae-In, o ex-líder do Partido Democrático Liberal da Coreia, fala aos manifestantes reunidos na cidade de Busan, no sul do país, neste sábado. Foto: Yonhap

Como nas manifestações anteriores, pessoas de todas as esferas vieram para protestar. Muitos adolescentes, bem como pais com filhos, podiam ser ouvidos pedindo que que a presidente se retirasse.

Oito da minha classe vieram para o comício de hoje. Queríamos vir na semana passada, mas não conseguimos“, disse Kim Ji-Yoon, um estudante do ensino médio que fez o exame nacional na quinta-feira.

Kang Dong-Jin, de 49 anos, disse que a presidente deveria ser julgada. “Park Geun-Hye disse que iria ouvir o público, mas agora está de volta aos assuntos do estado como se nada estivesse acontecendo! Ela não mantém a sua própria palavra. Ela não merece nada além de impeachment“.

No último sábado, o terceiro protesto contra a presidente em Seul atraiu mais de 1 milhão de pessoas, de acordo com os organizadores, marcando o maior protesto desde a democratização do país em 1987.

Cerca de 30 mil pessoas participam manifestação contra a presidente na Praça Democrática em Gwangju, no sábado. Foto: Yonhap
Cerca de 30 mil pessoas participam manifestação contra a presidente na Praça Democrática em Gwangju, no sábado. Foto: Yonhap

A presidente está enfrentando sua maior crise, com seus índices de aprovação em parcos 5%, de acordo com a Agência Gallup Coreia.

Acusada de deixar sua amiga civil, Choi Soon-Sil, manipular assuntos de Estado, Geun-Hye pediu desculpas duas vezes e ofereceu-se para se submeter a uma investigação. Mas esta semana fez uma série de movimentos, vistos como um claro sinal de que pretende se manter no poder.

Disclaimer

As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.