Entrada (fechada) do Complexo Industrial de Kaesong

As empresas sul-coreanas do complexo industrial, agora fechado, na cidade fronteiriça de Kaesong, na Coreia do Norte, estão presas em um limbo.

Com as crescentes provocações militares da Coreia do Norte e as consequentes sanções internacionais, as empresas sul coreanas ali instaladas, veem com pouco otimismo a retomada das atividades no local. Para piorar, num momento em que o governo deveria dar a mão aos empresários, o mesmo está atrasado no processamento de compensação, apesar da urgência que envolve essas empresas.

Kaesong é uma cidade histórica da Coreia do Norte, situada no extremo sul do país, perto da fronteira com a Coreia do Sul. Junto a Kaesong encontra-se o único complexo industrial que reúne os dois países. É uma das duas principais cidades da província de Hwanghae, em conjunto com a capital Sariwon. Ambas possuem mais de 300.000 habitantes.

Entenda a localização de Kaesong. Foto: BBC
Entenda a localização de Kaesong. Foto: BBC

Kaesong é oficialmente uma ‘região administrativa especial’ da Coreia do Norte. O complexo funciona como uma zona de desenvolvimento econômico de cooperação, na qual operam empresas sul-coreanas atraídas por uma mão de obra qualificada e barata. Foi criada na época da “diplomacia do raio de sol” aplicada por Seul de 1998 a 2008 para estimular os contatos entre os dois países, separados desde a guerra da Coreia de 1950-1953.

Nossa principal frustração vem da situação atual de resposta atrasada do governo, que nos impede de tomar decisões sólidas com nossos negócios“, disse Shin Han-yong, que lidera uma associação de empresas do parque industrial Kaesong, .

O secretariado presidencial (que negligencia o processo de compensação) tem falado sobre isso há quase um mês. No geral, a situação parece extremamente vaga e realmente nos mantém em compasso de espera“, disse ele.

No entanto, a decisão de Seul de evacuar o complexo, que acompanhou de perto o quarto teste nuclear da Coreia do Norte em janeiro de 2016, deixou muitos funcionários desempregados e empresários endividados.

As empresas do Complexo Kaesong. Foto: KEI
As empresas do Complexo Kaesong. Foto: KEI

Continuamos a ouvir rumores de nossas propriedades em Kaesong supostamente sendo roubadas pela Coreia do Norte“, disse Lee Jong-duk, CEO da Young Inner Foam, um fabricante de têxteis, com evidente frustração.

Ao contrário de outros arrendatários, Lee teve que abandonar quase tudo no parque industrial de Kaesong, quando chegou o pedido abrupto de despejo: equipamentos de fábrica, matérias-primas, alimentos, veículos e outros materiais básicos, bem como produtos prontos para envio.

Depois de abandonarmos o parque industrial após um aviso extremamente curto no ano passado, não fomos capazes de voltar – isso marcou nossos negócios e nossas vidas“, disse ele.

Suas preocupações estão em linha com o relatório da Voice of America de 21 de agosto, que descobriu que cerca de 100 veículos sul-coreanos que estavam em Kaesong desapareceram misteriosamente em junho. Uma imagem de satélite mostrou que os veículos, que estavam no local até o final de 2016, desapareceram, indicando que a Coreia do Norte os havia movido para outro lugar.

Lee e outros empresários queriam visitar a zona industrial abandonada para recuperar alguns de seus ativos, mas as permissões foram sucessivamente negadas à medida que as tensões inter-coreanas aumentavam.

Francamente, eu tive a impressão de que o governo não queria que falássemos sobre os direitos de visita (a Kaesong)“, acrescentou Lee.

Trabalhadores, numa fábrica do Complexo Industrial de Kaesong. Foto: CNN
Trabalhadores, numa fábrica do Complexo Industrial de Kaesong. Foto: CNN

O parque industrial de Kaesong alojava principalmente pequenos e médios fabricantes de sapatos e roupas que procuravam aproveitar mão-de-obra barata do Norte.

Em vez de oferecer uma sólida promessa para a reabertura, a administração anterior, de Park Geun-hye, que decidiu a retirada, disponibilizou um fundo estadual de US $ 442,9 milhões para as empresas de Kaesong no ano passado, que visa cobrir cerca de 63,8% de uma perda total estimada de 780 bilhões de won.

O Ministério da Unificação, sob a nova administração de Moon Jae-in, prometeu fazer compensações adicionais em julho, mas diretrizes específicas, incluindo números exatos e um prazo, não foram reveladas.

Embora não possamos confirmar nada no momento (por causa da sensibilidade da questão), estamos conversando consistentemente com as empresas em Kaesong para trazer uma solução a longo prazo“, disse um funcionário do ministério ao The Korean Herald.

O funcionário acrescentou que ainda não há atualizações específicas sobre as diretrizes de compensação, seguindo a última adoção das sanções do CSNU.

As tensões militares aumentaram drasticamente na Península Coreana após o Norte acelerar o desenvolvimento de um míssil de longo alcance e uma ogiva nuclear capaz de atacar o continente americano.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.