As mídias individuais, que permitem a produção e lançamento de conteúdo para pessoas comuns, estão mudando a dinâmica da indústria de conteúdo digital. Esta nova forma de comunicação se desenvolveu a ponto de chamar a atenção não apenas do público, mas da mídia principal, com seu rápido crescimento, popularidade e influência. Vamos observar de perto a tendência das mídias individuais na reportagem da primeira MCN coreana (Multi-Channel Network), a Media Zamong.

De celebridades a influenciadores digitais

Entre uma celebridade e um influenciador digital, quem o público escolheria em termos de confiança? Claro que as pessoas estão mais acostumadas com as celebridades. Porém, há um crescente número de pessoas que confiam mais em influenciadores do que celebridades.

Acredita-se que a conexão entre espectadores e criadores de conteúdo individuais é mais íntima. A televisão, servindo dominantemente como plataforma de celebridades famosas, começou a trazer influenciadores populares, cujo os vídeos são visualizados por centenas de milhares de inscritos.

 

O que significa este aumento presencial dos criadores de conteúdo nas grandes mídias? Isso reflete a necessidade de conteúdo customizado, o qual envolve transparência de quem o desenvolve. No passado, grandes mídias representavam o mundo “pré-fabricado” dos especialistas.

A mídia convencional costuma trazer pessoas famosas, já expostas a outras mídias e também conhecidas por seus livros ou palestras. Eles eram aceitos pelo público sem uma verificação de confiança, pois estar na TV era o suficiente para a maioria dos espectadores. Isto também significa que, uma vez apresentados em programas de TV, os famosos não precisavam se esforçar para ganhar a confiança das audiências.

Este sistema torna-se mais impressionante ao ver criadores bem sucedidos através das mídias alternativas, como o YouTube. Eles conquistam uma reputação, criando seu próprio caminho e desenvolvendo conteúdos únicos por um longo tempo, o que os torna especialistas em seu segmento.

A linha tênue entre as grandes e pequenas mídias

Espera-se que os criadores individuais aumentem suas aparições na grande mídia. Não há um criador que recuse a oportunidade dourada de se promover na televisão, pois é uma grande forma de atrair mais seguidores para seus canais. É uma situação em que os criadores de conteúdo e produtoras de TV ganham, já que presença dos influenciadores contribui no acréscimo de audiência, fonte de seu lucro comercial. Mesmo da perspectiva da audiência, ver estrelas do YouTube tornarem-se mais presentes na TV é um tanto interessante e animador.

Aqueles que sempre se referem ao nível B ou plataformas como a Africa TV, estão prestando mais atenção nesta tendência sensacional, até desejando secretamente criar uma para si. Era comum celebridades interpretarem ou moldarem-se como imagens apelativas ao público (em grande parte por suas empresas). Inicialmente, eram selecionados por produtores para então conseguir chegar a TV. Por outro lado, a barreira foi derrubada, permitindo a criação de conteúdo pessoal em uma plataforma de mídia online, a qual acolhe a todos. Muitas pessoas descobriram um novo mundo. Isso também levou as celebridades a criarem seus próprios canais ou podcasts, sem precisar de aprovação.

Foto: © 1Million Dance Studio

As mídias individuais não param de crescer

MCN significa Multi Channel Network (ou rede muticanal), onde as entidades afiliadas a múltiplos canais de YouTube oferecem diversos conteúdos digitais (a Stylehaul por exemplo, foi uma das networks mais conhecidas e utilizadas pelas youtubers brasileiras e norte americanas no início da monetização de conteúdo no YouTube). É fácil de compreender quando pensamos em youtubers famosos. Indo adiante, a segunda fase da MCN inclui a geração de lucro através da produção e venda de conteúdo original, personagens ou produtos com gerenciamento estruturado. A partir deste ponto em 2018, o que acontecer será categorizado na terceira fase do MCN, que segue crescendo como entretenimento e aumenta a afiliação com a grande mídia.

Park Jun-Hyung, do grupo de k-pop GOD criou um canal no YouTube em colaboração com o canal JTBC Lululala. O conteúdo também é transmitido em um grande canal de TV a cabo, o JTBC4. E assim, uma nova tendência nasceu e cresceu através dos loucos por novidades e pioneiros, seguido das microempresas. O que acontece em seguida é a entrada dos grandes conglomerados nesta tendência, visando aproveitar o mercado com o uso de especialistas, realizando fusões e absorvendo pequenas empresas já consolidadas no ramo. Eles sistematizam a estrutura e oferecem quantidade e qualidade esmagadoras. Neste sentido, espera-se que o mercado do conteúdo digital seja tão competitivo que nos force possivelmente a uma dura decisão entre nossas celebridades favoritas e os vídeos de nossos amigos.

O que importa é a autenticidade e relevância

Grandes empresas e produtores de mídia consideram o YouTube rentável para todos, já que grandes conglomerados ou pessoas comuns podem monetizar seus vídeos. É uma boa razão para as experientes grandes mídias e elites de continuar com os criadores de conteúdo, apoiados por grandes orçamentos. Isso não significa que a plataforma será dominada pelas grandes empresas. Algumas delas apresentam uma fraca presença em seus canais de YouTube comparadas a um criador individual. Assim como vemos alguns filmes de Hollywood fracassando sem pegar a audiência desejada, os conglomerados não serão capazes de dominar o setor.

A essência dos criadores individuais se concentra em sua abordagem autêntica, a comunicação mais íntima. Comentários dos espectadores são lidos e respondidos pelos criadores. Independente de quanto dinheiro ou técnica um vídeo necessite, autenticidade é o que faz esta mídia funcionar. Outro aspecto da mídia individual é o conteúdo relevante entre os vídeos. Postar vídeo após vídeo é uma característica única da plataforma que permite coexistência entre os criadores, favorecendo colaborações ao invés de competições. As diferentes abordagens e reações sobre os assuntos do momento fazem os espectadores permanecerem em seus canais.

Compartilhando histórias de vida comuns

Os conteúdos únicos e de alta qualidade criados por coreanos chamaram a atenção da audiência global. Baseado no número de inscritos em dezembro de 2018, ToyPudding TV é o número 1 dos canais coreanos no YouTube. 60⁰ no ranking mundial, ele possui 20.600,00 inscritos. Com efeitos sonoros e sem voz de fundo, os vídeos com brinquedos possuem mais de 12.7 bilhões de visualizações no total.

Com 13 milhões de inscritos, o 1MILLION Dance Studio é 194⁰ no ranking mundial no setor de dança, enquanto J.Fla Music está em 315⁰ lugar com 10.210,00 inscritos na categoria música. Devido a qualidade do conteúdo, sua dança e música conquistou o apoio de fãs internacionais. Na categoria beleza, PONY Syndrome possui 4.650,00 de inscritos, estando em 1088⁰ lugar no ranking global (confira a matéria do Koreapost sobre a Pony e conheça mais sobre a musa inspiradora das amantes de beleza).

Além destes super Youtubers, os vlogs, vídeos compartilhados sobre o dia a dia ou pequenas ideias, estão ganhando imensa popularidade. Deixando de lado o grande número de inscritos, se comunicar com uma audiência no seu próprio estilo é a habilidade que dá significado a muitos ‘vlogueiros’. Caso você seja firme em fazer o que ama e compartilha com outros que também gostam, se encontrará em um outro nível de comunicação e criação. Sua história única ou simples fato de ser uma pessoa comum, pode ser o que as pessoas realmente querem ver.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.