Por anos, a Starbucks Coreia teve um aumento nas vendas de seus produtos sazonais, como copos – um dos itens mais populares da franquia, muitas vezes visto como um substituto ecológico para xícaras descartáveis.

Mas quando a rede de cafeterias revelou uma nova gama de itens inspirados no Halloween nas redes sociais no início deste mês, a recepção dos consumidores parece ter mudado.

“Apresentando os produtos de Halloween, que foi misteriosamente encantada e mantida secretamente por um mago”, dizia um tweet da empresa. O tweet aparentemente inócuo logo foi recebido com raiva. “A magia misteriosa não consegue combater o aquecimento global”, escreveu um usuário enquanto outro escreveu, “traga de volta canudos de plástico”.

Os comentários foram feitos depois que a unidade sul-coreana da rede global de cafeterias enfrentou críticas sobre seus “copos multiuso”, que foram distribuídos por ordem de chegada, como parte de um evento de marketing global no mês passado. Ela foi acusada de “lavagem verde”, também chamado de “greenwashing” – é o ato de fornecer informações enganosas aos consumidores que os faz acreditar que um produto ou serviço é ecologicamente correto, quando na verdade não é.

A empresa disse que o evento “Reusable Cup Day”, que aconteceu em países como Coreia, Cingapura e Indonésia, foi realizado para enviar uma mensagem de “sustentabilidade e respeito ao meio ambiente”. A ativista da organização Green Korea, Heo Seung-eun, no entanto, disse que a campanha “faltou com a sinceridade”.

“A premissa da campanha foi reduzir o uso de copos descartáveis ​​e estimular o consumidor a usar os copos multiuso. Mas, conceitualmente falando, quaisquer copo que pode ser usado várias vezes é um copo multiuso. Se (o evento) oferecesse descontos para pessoas que trouxessem seus próprios copos, acho que teria encorajado mais pessoas a usar copos multiuso.”

Para ser justo, a Starbucks Coreia lançou uma série de iniciativas ambientais nos últimos anos.

Na semana passada, a Starbucks anunciou sua campanha de colaboração com o governo da cidade de Seul para plantar árvores e flores, resultando em uma floresta própria na floresta de Seul.

Em novembro de 2018, também introduziu canudos de papel em todas as lojas do país.

Mas Heo continua cético em relação ao compromisso sustentável da empresa.

“Copos são produzidos toda vez que há um evento de marketing. Se você pensar bem, não pode usar todos de uma vez, não importa quantos você tenha, o que significa que, quando você os compra repetidamente, muitos deles acabam no lixo. Duvido que a Starbucks Coreia não saiba disso”, disse ela.

A Starbucks Coreia, no entanto, defendeu suas decisões de marketing.

“Em apoio à meta da empresa de reduzir as emissões de carbono em 30% até 2025, a Starbucks está incentivando os clientes a abandonarem os plásticos descartáveis, defendendo o uso de conteúdo reciclado e promovendo a reutilização”, disse a empresa em um comunicado ao The Korea Herald.

“Em linha com esses esforços, a Starbucks está envolvendo mais clientes com o uso de copos reutilizáveis ​​por meio de descontos para copos e estrelas de bônus ecológicos.”

A Starbucks está longe de ser a única empresa envolvida na chamada polêmica “lavagem verde”.

Consumidores sul-coreanos pedem por ações sustentáveis de grande empresas

A Innisfree, uma marca de cosméticos do grupo Amorepacific, foi forçada a alterar sua embalagem ecológica “garrafa de papel” no início deste ano, após uma reclamação de um cliente sobre o uso de plástico e o rótulo “enganoso” se espalharem online.

Embora o rótulo que cobre a garrafa diga “olá, sou uma garrafa de papel”, o produto em questão é uma garrafa de plástico embrulhada em papel.

Após a reação, a marca reconheceu apressadamente que o rótulo “olá, sou uma garrafa de papel” pode ser enganoso, mas acrescentou que a garrafa de plástico incolor é reciclável e ecológica, pois usa 51,8% menos plástico do que a embalagem convencional.

O aplicativo de entrega de comida Baemin também enfrentou críticas de ativistas ambientais por causa dos recipientes de plástico.

Em abril, um protesto foi realizado fora da sede da empresa por membros do grupo ambientalista Green Korea, que apelaram aos serviços de entrega de alimentos para apresentar uma opção de contêineres multiuso.

A política atual do Baemin permite que os usuários optem por não receber talheres de plástico e pauzinhos de madeira ao fazer um pedido no aplicativo, mas os críticos dizem que não é suficiente.

“Qual o impacto que você acha que essas ações tiveram na redução do desperdício de plástico? Uma colher a menos não significa muito quando há quase 10 recipientes de plástico por pedido”, disse Heo durante uma entrevista no início deste ano.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.

5 × 4 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.