Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, recebe vacina contra COVID-19. Via: Yonhap.

A taxa de pessoas vacinadas na Coreia do Sul está atrás de todas as outras nações da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Desde que a Coreia lançou sua campanha de vacinação em massa em 26 de fevereiro, apenas 15% da população de 52 milhões do país, ou cerca de 7,71 milhões de pessoas, tinham sido totalmente vacinadas até o início de agosto, de acordo com a Agência de Controle e Prevenção de Doenças da Coreia (KDCA).

A Coreia do Sul é a última no ranking entre 38 países membros da OCDE, de acordo com Our World in Data, uma publicação científica online conectada à Universidade de Oxford.

O país administrou pelo menos uma dose da vacina contra COVID-19 em mais de 20,9 milhões de pessoas, ou cerca de 40,7% – o que ainda é o penúltimo entre 38 membros da OCDE.

Em contraste com muitos outros países, a influência das pessoas que são anti-vacinas na Coreia, chamados de anti-vaxxers, não é particularmente forte.

De acordo com uma pesquisa do Ministério da Saúde e Bem-Estar sobre a COVID-19 divulgada recentemente, 84,1% dos entrevistados que não foram vacinados disseram estar dispostos a receber uma vacina, um aumento de 6,8 pontos percentuais em relação ao mês anterior.

Quando o sistema de reserva de vacinas online do país foi inaugurado para pessoas na faixa dos 50 anos, o sistema sofreu sobrecargas e travamentos. Cerca de 10 milhões de pessoas estavam tentando acessar o servidor que acomodava apenas 300 mil pessoas.

Apesar do grande desejo de se vacinar pela população, a escassez de suprimentos e o atraso nas importações têm contribuído para obstáculos no processo de vacinação.

Além de um recente atraso nas importações das vacinas da Moderna, a empresa de biotecnologia Novavax, que se esperava que se tornasse uma grande distribuidora de vacinas no segundo semestre do ano, mais uma vez atrasou o envio de sua vacina contra COVID-19 para a agência Food and Drug Administração (FDA) dos Estados Unidos para autorização de uso de emergência até o quarto trimestre, de acordo com a Reuters.

A quantidade total de vacinas programadas para chegar à Coreia é de cerca de 193 milhões de doses, ou o suficiente para 100 milhões de pessoas, disse a Sede Central de Contramedidas e Desastres. Isso é suficiente para vacinar quase o dobro da população do país. Destas, quase 90 milhões de doses devem chegar no quarto trimestre.

No quarto trimestre, está prevista a expansão das vacinas para crianças e adolescentes de 12 a 17 anos, e doses de reforço aplicadas a idosos de alto risco e trabalhadores essenciais, como policiais e bombeiros.

Além disso, os suprimentos que chegam no quarto trimestre incluem principalmente vacinas AstraZeneca e Janssen, que não podem ser fornecidas a pessoas com menos de 50 anos, bem como Novavax, que não foi aprovada em nenhum país até o momento.

Ao contrário da Coreia, outros países já adquiriram suprimentos de vacinas para o próximo ano e mesmo contra o crescimento da variante Delta, altamente contagiosa, que também está gerando a necessidade de vacinas de reforço. Foi relatado que Israel, Suíça e Taiwan fecharam acordos com a Moderna para compra em 2023.

O governo coreano também está negociando contratos adicionais com a Pfizer e Moderna para a compra de 50 milhões de doses no total.

Lee Ki-il, funcionário do Ministério da Saúde e Bem-Estar, disse em uma coletiva de imprensa que o governo está na fase final de negociações com os desenvolvedores de vacinas baseadas em mRNA para que haja suprimentos no próximo ano.

O governo reiterou que a quantidade restante de vacinas e os suprimentos do próximo ano não causarão retrocessos no calendário de vacinação, incluindo as doses necessárias para as vacinas de reforço.

Enquanto isso, no domingo, a Coreia registrou sua contagem diária mais alta de casos de COVID-19 com 1.729 novos contaminados, elevando seu número total de casos para 210.956.

Houve mais cinco mortes causadas pelo vírus, aumentando o número total de mortos para 2.121.

Como os casos de COVID-19 não mostraram sinais de desaceleração, o governo decidiu manter as medidas de distanciamento social em vigor, incluindo rígidas restrições impostas na região da capital, até 22 de agosto.

Além disso, a cidade portuária de Busan, no sudeste, anunciou que aumentará seu distanciamento social para o nível 4, o maior nível, em meio a um aumento de casos.

O número total de infecções diárias em regiões fora da capital ultrapassou 700 pela primeira vez no domingo, incluindo 145 provenientes da cidade portuária.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.