Ao contrário dos jovens coreanos que migram para as cidades grandes, aumenta a quantidade de moradores estrangeiros no interior do país.

Em cidades mais afastadas de Seul, é comum ver crianças de famílias multiculturais, onde apenas um dos pais, normalmente o pai, é coreano. A esposa geralmente é da China ou do Sudeste da Ásia.

Uma vietnamita, de 33 anos, estabeleceu-se com seu marido coreano em Namwon, na província de Jeolla do Norte.

Eu estudei coreano por 14 anos e consigo me comunicar, mas é difícil acompanhar as notícias, porque tem muitos temas atuais e políticos“, disse ela.

Felizmente, devido à alta concentração de vietnamitas, agora todo sábado passa um resumo de notícias com legenda em vietnamita.

Eu consigo entender o que está acontecendo, assistindo as notícias em vietnamita, e como imigrante, fico feliz com isso“, disse ela

A província de Jeolla do Norte têm fornecido legendas em vietnamita e chinês nas notícias de sábado.

Estamos oferecendo esse serviço porque o número de moradores estrangeiros está aumentando gradualmente. Fornecemos legendas nessas duas línguas porque 70% das esposas estrangeiras são da China ou do Vietnã“, disse Kim Moon-kang, um agente do governo de Jeolla do Norte.

Cidades do interior da Coreia se adaptam ao crescente números de estrangeiros
Na província de Jeolla do Norte, as notícias de sábado tem legendas em vietnamita e chinês. Fonte: Chosun

Outros estão mais preocupados com os hábitos desordenados dos recém-chegados. O condado de Yanggu, na província de Gangwon, no norte do país, publicou avisos sobre o descarte de lixo em várias línguas: inglês, japonês, chinês, tailandês, vietnamita e filipino.

Muitas esposas e trabalhadores estrangeiros vivem aqui, e eles não sabem como fazer a coleta seletiva, devido às barreiras linguísticas. Como a quantidade de estrangeiros aumentou, começamos a oferecer instruções em várias línguas“, disse o agente do condado, Lee Ja-yeon.

Outras regiões da Coreia também estão adotando medidas similares para atender ao crescente número de residentes estrangeiros.

Escolas primárias oferecem aulas extra de coreano para crianças que ainda não estão completamente fluentes. Em uma escola primária em Yeongam, na província de Jeolla do Sul, crianças de pais que vieram da Rússia, Egito, Uzbequistão e Iêmen estão tendo aulas de coreano. Dos 340 estudantes de lá, 50 são de famílias multiculturais. As mães estrangeiras frequentemente ensinam suas línguas maternas aos estudantes.

Cidades do interior da Coreia se adaptam ao crescente números de estrangeiros
Crianças que não são fluentes em coreano tem aulas de reforço. Fonte: The Korea Bizwire

O Ministério do Interior e de Segurança selecionou 89 municípios do país como regiões que estão com declínio de população. Em média, a população diminuiu 6.2% nos últimos 5 anos, um total de 4.99 milhões de pessoas.

Mas no mesmo período, o número de estrangeiros vivendo nessas regiões teve um aumento de 10.6%, somando 140.821 pessoas.

A medida que a população coreana diminui, os estrangeiros estão preenchendo o vazio e tendo um papel fundamental“, disse um agente do governo de Jeolla do Norte.

Cidades do interior da Coreia se adaptam ao crescente números de estrangeiros
Trabalhadores estrangeiros contribuem positivamente no declínio populacional no interior da Coreia. Fonte: The Korea Bizwire

Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.

15 − dois =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.