Pela quinta semana seguida, centenas de milhares de sul coreanos tomaram as ruas para exigir a renúncia da Presidente Park Geun-hye, que é suspeita de exercer atividades ilícitas relacionadas à corrupção e abuso de poder. Os últimos protestos, no entanto, foram notáveis pela sua integração com as tecnologias da informação, com os participantes desenvolvendo aplicativos e serviços para facilitar as manifestações em escala nacional.

PYH2016112624190001300_P2
“Pelo menos um milhão de pessoas acenderam velas pelo país, mas a polícia estima um número de apenas 200.000,” disse o desenvolvedor. “Isso me deixou com muito raiva, então decidi criar o app.” (Imagem via Yonhap News)

Entre tais serviços está uma página na internet que oferece a estudantes universitários um guia de localização rápido, para saberem onde os alunos de suas respectivas escolas se encontram em meio a multidão de centenas.

O serviço leva em consideração a baixa velocidade de conexão em manifestações extensas, que foi o caso dos protestos em Gwanghwamun, em Seul, e também possui informações textuais de localização, o que requer menos dados de internet.

O site foi desenvolvido por Park Hang, vice-presidente do corpo estudantil da KAIST. Ele inicialmente criou o serviço de modo exclusivo para estudantes da KAIST, mas expandiu após pedidos de outros corpos estudantis do país.

Eu decidi criar a página após alguns estudantes me falarem sobre a dificuldade de encontrar alunos da mesma escola nos protestos,” disse ele.

Um aplicativo celular chamado Check Attendance permite uma melhor estimativa do número total de participantes, por meio de checagem automática da localização de cada pessoa quando estiverem em um raio de 2 quilômetro da área de Gwanhwamun.

O app, de acordo com o desenvolvedor, foi criado para oferecer uma melhor visualização do número de pessoas reunidas, devido as disparidades entre as estimativas da polícia e de organizações sociais.

Pelo menos um milhão de pessoas acenderam velas pelo país, mas a polícia estima um número de apenas 200.000,” disse o desenvolvedor. “Isso me deixou com muita raiva, então decidi criar o app.

FireChat é um aplicativo de mensagem que foi introduzido pela primeira vez em 2014 por manifestantes de Hong Kong, mas adquiriu nova popularidade entre manifestantes sul coreanos que procuram evitar a paralisia da rede. O app usa mesh networking, que funciona utilizando o Bluetooth de smartphones próximos ou Wi-fi para enviar mensagens, e não é afetado pela lentidão das redes celulares.

Entre os aplicativos mais comuns se encontram os aplicativos de velas, que obviamente, são apps que projetam velas nas telas de smartphones.
Entre os aplicativos mais comuns se encontram os aplicativos de velas, que obviamente, são apps que projetam velas nas telas de smartphones.

Os aplicativos de velas funcionam tem melhor funcionalidade em dias de vento e chuva, ou simplesmente são uma mão na roda para aqueles que esqueceram de trazer uma vela de verdade ao protesto. Também são uma solução perfeita contra a fala controversa do deputado pro-Park Geun-hye, Kim Jin-tae, que disse “velas são apenas velas, serão apagadas pelo vento”.

A manifestação (em 26 de novembro) pôde ser vista como a primeira de seu tipo que naturalmente integrou-se a tecnologia da informação,” disse o professor de ciência de software Chung Tae-myung da Sungkyunkwan University. “A tecnologia de TI deu mais um passo em direção a nossa subsistência, agora também afetando até manifestações e protestos.”


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.