A Coreia do Sul adicionou sete templos budistas de montanhas na lista de Patrimônio Mundial da UNESCO, ganhando reconhecimento internacional por outro conjunto de lugares históricos.

A decisão unânime foi anunciada durante a 42ª sessão do Comitê do Patrimônio Mundial, em Manama, Bahrein (ou Barém), de 24 de junho a 4 de julho. A Coreia do Sul enviou um requerimento em fevereiro do ano passado para os sete templos de montanhas.

Os templos, todos localizados nas montanhas, incluem Seonamsa no Monte Jogye e Daeheungsa no Monte Duryun, localizados na Província de Jeolla do Sul; Beopjusa no Monte Songni e Magoksa no Monte Taehwa na região central de Chungcheong; e Tongdosa no Monte Yeongchuk, Buseoksa no Monte Bonghwang, Bongjeongsa no Monte Cheondeung que estão situados no sul da província de Gyeongsang.

Templo de Seonamsa. Foto: Korea Net
Templo de Seonamsa. Foto: Korea Net

A decisão desafiou as expectativas anterior de que apenas quatro dos sete (Beopjusa, Tongdosa, Buseoksa e Daeheungsa) seriam listados. O Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS), um grupo consultivo não-governamental que oferece uma avaliação prévia antes da convocação da UNESCO, recomendou o arquivamento dos outros três, citando falta de significado histórico e tamanhos pequenos.

Templo de Daeheungsa. Foto: Korea Tourism Organization
Templo de Daeheungsa. Foto: Korea Tourism Organization

A Coreia do Sul ganhou lugares para todos os sete, aparentemente apoiados em negociações e promoções ativas, que ajudou a garantir votos de todos os membros dos países no último minuto, disse um oficial familiarizado com o assunto.

Templo de Beopjusa. Foto: Wikipedia
Templo de Beopjusa. Foto: Wikipedia

Todos os sete templos foram estabelecidos durante o período dos Três Reinos, de 37 a.C. a 668 d.C., quando Koguryo, Baekje e Silla ocuparam a península e o território mais ao norte, atualmente na China e Rússia.

Templo de Magoksa. Foto: Korea Net
Templo de Magoksa. Foto: Korea Net

A maioria dos templos tinham quartos para aprender roteiros e doutrinas, áreas de moradia para os monges e fiéis, assim como estruturas para conduzir rituais.

Ao enviar o requerimento no ano passado, um oficial da Administração do Patrimônio Cultural Coreano (CHA) disse, “Os templos, desde seu estabelecimento, deram continuidade a tradição do Budismo coreano que é tanto religioso quanto profundamente enraizado na vida das pessoas”.

Templo de Tongdosa. Foto: Unesco
Templo de Tongdosa. Foto: Unesco
Templo de Buseoka. Foto: Unesco
Templo de Buseoka. Foto: Unesco

A Coreia do Sul já detém numerosas designações de lugares no Patrimônio Mundial, incluindo o templo mais famoso, Bulguksa, Seokguram Grotto, o antigo palácio real Changdeokgung e 81.350 gravuras da Tripitaka Koreana alojados no templo Haeinsa.

Templo de Bongjeongsa. Foto: Trip Advisor
Templo de Bongjeongsa. Foto: Trip Advisor

Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.