Acelerada pelo aumento dos custos trabalhistas, o número reduzido de trabalhadores dispostos a aceitar empregos exaustivos em mão de obra e serviços sem contato pessoal exigidos pela pandemia, a Coreia do Sul viu um número crescente de empresas implantando robôs de serviço de linha de frente que começaram a substituir humanos na execução de tarefas simples e rotineiras.

O mercado de robôs de serviço da Coreia crescerá para um acumulado de 230.000 robôs até 2025, valendo 2,8 trilhões de wons (US$ 2,25 bilhões) em valor, de acordo com dados de mercado compilados pela Federação Internacional de Robótica. Em 2020, seu tamanho cresceu 34,9% no ano, para 857 bilhões de wons, superando o de robôs industriais. O mercado global de robôs de serviço deve crescer para US$ 74 bilhões até 2026.

Para atender à crescente demanda por serviços automatizados, gigantes de tecnologia e manufatura estão entrando no setor de robôs de serviço, que ainda está em estágio inicial em comparação com o mercado de robôs industriais.

Um robô de serviço contém um programa de computador automatizado construído para executar tarefas orientadas para o cliente. Ao contrário dos robôs industriais que normalmente são usados em fábricas, os robôs de serviço podem ser usados em tarefas de restaurantes, assistência médica e residências.

Exército de robôs de serviço chegam para substituir mão de obra de alto custo na Coreia
Robôs Samsung com um avatar de Inteligência Artificial. Foto: Samsung Newsroom Brasil

O provedor de plataforma Naver abriu sua nova sede no mês passado com o objetivo de criar o primeiro edifício amigável para robôs do mundo, onde os robôs percorrem os andares para servir café e entregar encomendas. Robôs com inteligência artificial também fazem anotações automaticamente durante as reuniões.

A LG Electronics optou por se  concentrar em  robôs de serviço  integrados ao estilo de vida. Seu foco mais recente foi a expansão para o mercado business-to-business, completando uma linha de seis tipos de seu principal robô CLOi com diferentes finalidades, como entrega, docência e limpeza. A versão mais recente pode dirigir e esterilizar ambientes com lâmpadas ultravioleta.

A Samsung Electronics deve lançar seu primeiro produto robótico em agosto – um robô para uso médico que se pode vestir chamado Sistema de Melhoria e Motivação da Marcha. Seu nome será Fitsam, de acordo com a patente que a Samsung registrou no Escritório de Propriedade Intelectual da Coreia. O robô vestível da Samsung pode ser acoplado ao tornozelo, joelho ou quadril para aumentar a força muscular de usuários com dificuldades de locomoção. A Samsung obteve a aprovação da agência americana de alimentos e medicamentos dos Estados Unidos no mês passado para seu lançamento global. Também patenteou um total de 25 produtos robóticos que auxiliam os humanos em tarefas domésticas, educação e esportes.

Exército de robôs de serviço chegam para substituir mão de obra de alto custo na Coreia
Visitante vestindo robô em Feira de Tecnologia. Foto: The Korea Economic Daily

Não apenas visando o mercado local, as empresas estão buscando maneiras de levar seus robôs para o exterior.

A Hyundai Robotics, subsidiária da Hyundai Motor, assinou um acordo com a empresa de telecomunicações britânica Vodafone para desenvolver robôs de serviço voltados para a Europa. Eles testarão robôs de quarentena em hospitais universitários na Alemanha antes de fornecer robôs de serviço baseados em 5G para restaurantes, hotéis e instalações de enfermagem.

Mas as preocupações permanecem com o vazamento de dados usando robôs, já que a maioria deles é montada no exterior, como na China.

De acordo com a indústria, mais de 70% dos robôs de serviço aqui, como os desenvolvidos por Baedal Minjok e SK Shieldus, são da grande empresa chinesa de robótica Voodoo Manufacturing e Keenon Robotics.

Usando câmeras, sensores do tipo LIDAR e radares junto a eles, os robôs tiram fotos ou salvam dados relacionados no servidor de big data do fabricante – isso significa que as empresas locais, que apenas colocam logotipos em robôs importados, são facilmente expostas a riscos de vazamento de dados.” disse um membro da indústria.

Também há vozes preocupadas que apontam para a necessidade de o governo reforçar as leis relacionadas para proteger ativamente e nutrir ainda mais a indústria local de robótica. No caso dos EUA, aplica-se uma tarifa de 25% aos robôs de serviço importados da China, enquanto a Coreia não tem regulamentação especial sobre importações de robôs.

Disclaimer

As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.