Em roupas simples e quieto, Lee Sang-hyeok não é diferente dos outros jovens asiáticos. Porém, quando caminha pelas ruas de Seul, ele chama a atenção e recebe elogios. Sua fama é enorme, alcançando a Coreia, China, Estados Unidos e Europa.

Conheça Lee, ou “Faker”, uma super estrela no competitivo mundo dos jogos, ou esportes virtuais. Nascido e crescido na Coreia do Sul, o garoto de 22 anos está no topo entre os principais dos jogadores na batalha online do League of Legends (LOL), jogo lançado pela empresa norte americana Riot Games em 2009.

 

O jogo “League of Legends” combina elementos de pensamento rápido, estratégico e trabalho coordenado em equipe, enquanto cinco jogadores cooperam para esmagar a base de seus oponentes. League of Legends detém a maior presença no mercado de esportes virtuais, podendo ultrapassar os 900 milhões de dólares este ano, segundo a empresa de inteligência de mercado Newzoo.

Enquanto o Lol possui outros famosos, Faker, um mid-laner para o time SK Telecom T1 permanece excepcional.

Após tornar-se jogador profissional aos 17 anos em 2013, a estrela dos esportes virtuais coreano liderou sua equipe a conquistar três títulos de campeonatos mundiais consecutivos no Lol, um marco que lhe valeu a reputação de “Deus” ou “Michael Jordan” de “LoL”.

Mas Lee não se considera um prodígio. Ele gosta de jogar topos gêneros de jogos desde a pré escola.  Através dos sucessivos anos gastos em jogos, ele foi capaz de desenvolver uma espécie de “sensibilidade de jogo”, do qual ele acredita ser inata em qualquer jogador profissional.

faker1Seu recorde nos jogos também o recompensou financeiramente.

A renda anual de Faker é estimada em mais de 3 bilhões de won atualmente (US $ 2,67 milhões), ou até 5 bilhões de won com incentivos, tornando-o talvez o maior ganhador do setor.

Apesar de suas performances sólidas, Lee parece ter sofrido uma queda este ano, já que o SKT T1 teve um desempenho abaixo das expectativas e não conseguiu sequer se classificar para o Campeonato Mundial deste ano, o que gerou desapontamento e surpresa dos fãs.

Retornando de uma breve pausa fora da temporada, a super estrela de “LoL” diz estar pronto para voltar ao jogo em 2019, já que sua paixão e dedicação ao jogo de PC continuam tão fortes quanto antes.

“Assistindo às finais do Campeonato Mundial deste ano na Coréia, realmente senti que preciso me apresentar melhor durante a temporada do próximo ano”, disse Lee em uma entrevista recente no centro de treinamento do SKT T1 em Ilsan, Província de Gyeonggi.

faker2“Especificamente, espero entregar um desempenho pelo menos proporcional ao nosso recorde (vencedor) do ano passado ou dos anos anteriores. Acho que vamos precisar ganhar muito ano que vem, para compensar as perdas sofridas este ano”.

Embora jogar seja raramente uma tarefa árdua para Lee, ele disse que alguns momentos aconteceram ao longo de 2018, enquanto sua equipe acumulava derrotas. Quanto ao motivo, Lee afirma que suas emoções parecem ter afetado sua concentração e jogabilidade nesta temporada.

Apesar de alguns especularem o início de uma queda em sua carreira, Lee está confiante para voltar ao topo da liga “LoL” global através de rigoroso treinamento e intuição, combinados com o conhecimento baseado em experiência conquistada nestes últimos seis anos como profissional.

Para ele, desistir não é uma opção.

Na aposentadoria, a idade limite para jogadores profissionais é tipicamente aos 27 anos. Algo que ele raramente pensa, apesar de reconhecer, com uma risada, que possui economias suficientes para garantir uma aposentadoria antecipada.

“Quero continuar jogando até os 27 anos ou até mais. Estou confiante que posso continuar até essa idade, ou mesmo além desse ponto ”, disse Lee.

Fórmula Secreta para o Sucesso

Além do respeito adquirido com sua excelente jogabilidade, o astro de “LoL” chama a atenção dos fãs e do público, especialmente por sua personalidade humilde, disciplina e estilo de vida ascético.

É verdade que Lee e muitos jogadores profissionais gastam de 10 a 12 horas por dia praticando “LoL”, deixando pouco tempo para fazer outra coisa. Mesmo em seu tempo livre, ele faz pouco além de recuperar o sono perdido e ler livros enviados por seus fãs.

O jogador passou suas últimas férias em casa com a família, dormindo 12 horas por dia, lendo livros e ocasionalmente jogando “StarCraft” – seu segundo jogo favorito depois de “LoL”, disse ele.

Apesar de ter pouco mais de 20 anos, Lee fica longe de muitos dos vícios e prazeres aos quais muitos jovens são atraídos, ou ao menos tentado se esbanjar com produtos caros, procurar bons restaurantes, beber, fumar, experimentar penteados malucos ou acompanhar as tendências da moda.

faker3

Namoro também é algo distante, já que ele passa a maior parte do dia praticando seu ofício. Mas se ele conhecesse uma mulher, o jogador de óculos espera alguém “não apenas bonita, mas alguém para formar uma conexão mental”.

Na perspectiva de Lee, sua personalidade reservada o ajudou a se tornar um jogador profissional de sucesso sem não perder o foco, bem como uma estrela de e-sports que evita fofocas desnecessárias.

“Sempre estive mais interessado em jogar, em vez de sair para brincar. Eu prefiro dormir do que me encontrar com amigos. Acho que essas características me tornaram mais apto para uma vida como jogador profissional ”, disse Lee.

“Além disso, acho que jogadores profissionais, assim como as celebridades, são essencialmente figuras públicas expostas às massas. E o fato de não ser do tipo de criar fofocas desnecessárias é outra vantagem minha”.

Suas habilidades excepcionais de jogo são o que fazem do Faker uma estrela mundial em “LoL”. E “Por que o Faker é tão bom em ‘LoL?’” É uma questão dos fãs, aspirantes a jogadores profissionais, jogadores rivais e o próprio Lee.

Lee ainda não sabe por que é tão bom em “LoL”. A familiaridade com os videogames desde a infância, sua intuição e capacidade de tomar decisões rápidas no calor do momento contribuíram para o talento de Faker.

Lee tem certeza que a vasta experiência e interesse em jogos desde cedo são praticamente pré-requisitos para se tornar um jogador profissional.

“Por exemplo, um jogador de futebol que praticou o esporte consistentemente quando criança é considerado mais bem-sucedido do que alguém que iniciou o futebol mais tarde. Sob a mesma lógica, uma pessoa tentando ser um jogador melhor desde cedo possui mais chances de sucesso, embora não seja o único fator envolvido”.

Mas o mais importante, pensar continuamente sobre o que você é bom e tentar implacavelmente e apaixonadamente ser melhor nessa coisa é crucial para se destacar em qualquer empreendimento, incluindo os esportes virtuais.

Isso significa que o esforço supera talento quando se trata de ter sucesso como jogador profissional? Não necessariamente. Aos interessados em seguir uma carreira nesse sentido devem ter tempo suficiente para “avaliar objetivamente suas habilidades”.

“No momento, há muitas pessoas querendo se tornar jogadores profissionais, mas a proporção daqueles que acabam tendo sucesso é extremamente pequena”, acrescenta Lee.

“Eu não vou parar quem decide seguir esse caminho com base em uma avaliação realista de suas habilidades. Mas quero alertar os que querem se tornar jogadores profissionais apenas porque gostam de videogames, para considerar seriamente suas opções e tomar decisões sábias”.

Embaixador dos esportes virtuais

Com uma carreira ilustre e reconhecimento global, Faker passou a simbolizar não apenas “LoL”, mas a cultura e comunidade geral dos esportes virtuais. Muitos dizem que um astro como Lee é necessário para ajudar o setor na popularidade e reconhecimento mundial.

Ele certamente sentiu o peso durante os Jogos Asiáticos em Jacarta este ano, onde os esportes virtuais foram apresentados como um evento de demonstração. E “LoL” foi um dos seis títulos incluídos na competição regional.

“Nos Jogos Asiáticos (Asian Games), senti um público mais diversificado de espectadores nos observando. Definitivamente sentimos mais pressão nos jogos”, disse Lee. “Mas de toda a atenção recém-descoberta, senti mais e mais pessoas estavam aceitando e se interessando pelos esportes virtuais”.

Foto: en.as.com/ Riot Games, Inc.
Foto: en.as.com/ Riot Games, Inc.

Embora a equipe coreana tenha perdido nas finais para levar para casa a prata nos Jogos Asiáticos, Faker acredita na participação bem-sucedida no evento esportivo, na medida em que expôs o setor ao público em geral. Ele está esperançoso em um progresso contínuo nos próximos anos.

“Olhando para o futuro, acho que o e-sports definitivamente se tornará um esporte oficial nos Jogos Asiáticos e até mesmo nas Olimpíadas no futuro. Também acho que até mesmo um grande torneio de e-sports poderia acontecer ”, disse Lee.

O astro de “LoL” também teve tempo para discutir sobre uma grande polêmica que pode redefinir o progresso feito no sentido de fortalecer a aceitação social dos jogos: o movimento da Organização Mundial da Saúde para reconhecer o vício em jogos como um transtorno mental.

“Estamos diante de uma situação bilateral, onde o suporte a jogos e e-sports é cada vez mais rápido, enquanto os chamados para medicalizar o vício em jogos como uma doença mental estão ficando mais fortes”, disse Lee.

“Acho que ambos os lados estão certos em seus próprias formas. Como os jogos são divertidos, eles podem causar níveis perigosos de dependência facilmente do que qualquer outro esporte. Os problemas mencionados devem ser corrigidos, enquanto o e-sports deve continuar avançando como está. Mas percebo que conseguir um equilíbrio é difícil”.

A melhor coisa que ele pode fazer como jogador profissional é “trabalhar duro, fazer bem”, disse ele. “Espero que possamos contribuir para moldar percepções mais positivas de jogos e esportes virtuais”.


Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.