Um campeonato do jogo Go (ou Baduk na Coreia), em Março deste ano, entre um cidadão coreano e um software de inteligência artificial apresentou um marco na tecnologia da Inteligência Artificial.

O programa de computador desenvolvido pelo DeepMind da Google, AlphaGo, derrotou um humano no jogo, provando que máquinas são capazes de, em alguns aspectos, superarem seus criadores e desafiarem o pensamento convencional que atribui inteligência aos seres humanos.

O impacto do evento na sociedade coreana foi imenso, divulgando a mensagem de que máquinas poderiam, possivelmente, superar seres humanos também em outras áreas – e mais cedo do que esperamos.

Também trouxe a tona uma grande questão: O quão longe a Coreia já chegou em termos de desenvolvimento de tecnologia IA e na robótica?

A Coreia do Sul é líder em manufatura de gadgets de TI, smartphones, computadores até televisores. Mas muitos ainda permanecem céticos em relação ao crescimento futuro, particularmente nas áreas de IA e robótica – elementos chave projetados para revolucionar a indústria, na forma como ela existe atualmente.

ALPHAGO 3

De acordo com uma recente pesquisa de opinião apurada pela Seoul Economic Daily, um grupo de 34 cientistas avaliaram a competitividade da Coreia em 70 de 100 pontos em relação ao nível de tecnologia esperado para que se inicie uma nova era das indústrias. Novos setores tecnológicos incluem veículos autônomos, IA, realidade virtual (VR), robótica e biofarmacêutica.

A Coreia apresentou deficiência na maioria dos campos de IA, biofarmacêutica e auto-condução quando comparada com a competitividade tecnológica já alcançada em países avançados, incluindo os Estados Unidos.

Contudo, especialistas dizem que a Coreia, apesar de ter começado em desvantagem, ainda tem chance.

Os Estados Unidos são líderes em cloud computing (computação de dados por nuvem) e o Japão já providencia serviços para humanos utilizando robôs como Pepper. A Alemanha também está desenvolvendo ambientação para adotar tecnologia da nova geração para seus sistemas de manufatura e a China, com seu capital e mercado massivos, emerge cada vez mais rápido“, disse Lee Sang-hoon, presidente da ETRI (Electronics and Telecommunications Research Institute) numa entrevista para a agência Yonhap News.

A Coreia não obstante construiu uma das melhores infraestruturas para tecnologia de informação comunicativa e a conectividade digital dos coreanos é, potencialmente, um bom material no desenvolvimento de tecnologia de nova geração“, afirma.

O governo declarou que almeja o crescimento do número de empresas especializadas em IA de 100 em 2019 para 1,000 em 2026. No mesmo período, espera que o número de profissionais na área aumente de 3,000 para 12,000, como parte do plano de  2.2 trilhões de won (R$6 milhões) discutido durante um encontro presidencial em Cheong Wa Dae.

Gigantes tecnológicas, firmas de telecom e TI também deram as mãos mês passado para o desenvolvimento de tecnologia IA, afirmando que a missão deles é criar uma versão coreana do AlphaGo, que derrotou o mestre de Go coreano, Lee Se-dol.

O jogo entre o computador AlphaGo e o mestre de Baduk coreano, Lee Se-dol.
O jogo entre o computador AlphaGo e o mestre de Baduk coreano, Lee Se-dol.

Um grupo com sete conglomerados incluindo a Samsung, Hyundai e SK Telecom  investiram conjuntamente no Instituto de Pesquisa de Inteligência Artificial, cada um contribuindo com 3 bilhões de won. O instituto, que também será fundado pelo Ministério da Ciência, ICT e Future Planning para uma série de projetos, decidiu desenvolver um programa IA para comunicação tranquila com usuários.

Chamado de “tecnologia de parceria inteligente,” o projeto é direcionado à troca de conhecimento humano de um determinado assunto com o programa IA, similar ao software IA chamado Samantha que apareceu no filme de Hollywood, “Her”.

Tecnologias futuras podem ter um impacto explosivo nas vidas de seres humanos se forem combinados. Softwares de IA conseguem processar dados e gerar estratégias otimizadas e lógicas para os homens. Sozinha, talvez não consiga substituir trabalho humano, mas o que acontece quando é combinada com a robótica?

Zhang Byoung-tak, um cientista da computação e professor de engenharia na Universidade Nacional de Seul, contou à revista local Sisapress que a quarta revolução industrial pode realmente ocorrer através do casamento da ciência artificial e a robótica.

A tecnologia IA da Coreia ainda está muito atrás da do Silicon Valley nos Estados Unidos, mas o país ainda tem chance, uma vez que possui um alto padrão de habilidades técnicas na manufatura robótica, disse Zhang, que está desenvolvendo um robô doméstico para ajudar mães que trabalham fora.

A Coreia agora está na encruzilhada“, afirma em uma entrevista com a Sisapress. “A Coreia tinha a liderança no mercado de utensílios domésticos mundialmente, até então. Mas se isso não aumentar a competitividade na robótica, o país perderá sua posição no mercado de consumo de eletrônicos. Robôs como Jibo e Pepper são, afinal, utensílios domésticos“.

Os robôs Jibo e Peper
Os robôs Jibo e Peper

Disclaimer: As opiniões expressas em matérias traduzidas ou em colunas específicas pertencem aos autores orignais e não refletem necessariamente a opinião do KOREAPOST.



DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome.